MENSAGEM de Fernando Pessoa; 1ª Parte-BRAZÃO
III- As Quinas
Primeira- D.DUARTE REI DE PORTUGAL
Terceira- D.PEDRO REGENTE DE PORTUGAL
Quarta- D.JOÃO INFANTE DE PORTUGAL
. Ilustração de Carlos Alberto Santos
D.DUARTE REI DE PORTUGAL
Meu dever fez-me, como Deus ao mundo.
A regra de ser Rei almou meu ser,
em dia e letra escrupuloso e fundo.

 

Firme em minha tristeza, tal vivi.
Cumpri contra o Destino o meu dever.
Inutilmente? No, porque o cumpri.
D.PEDRO REGENTE DE PORTUGAL
Claro em pensar, e claro no sentir,
é claro no querer;
indifferente ao que há em conseguir
que seja s obter;
duplice dono, sem me dividir,
de dever e de ser-

 

no me podia a Sorte dar guarida
por no ser eu dos seus.
Assim vivi, assim morri, a vida,
calmo sob mudos cus,
fiel palavra dada e ideia tida.
Tudo o mais com Deus!
D.JOÃO INFANTE DE PORTUGAL
No fui alguém. Minha alma estava estreita
entre tam grandes almas minhas pares,
inutilmente eleita,
virgemmente parada;

 

porque do portuguez, pae de amplos mares,
querer, poder s isto:
o inteiro mar, ou a orla v desfeita-
o todo, ou o seu nada.

Comentários:

D.Duarte Rei de Portugal: "A regra de ser Rei almou meu ser"- A disciplina de ser rei encheu a minha vida (isto é, como D.Duarte viveu o fim do seu curto reinado no remorso das consequências da falhada expedição a Tânger e da prisão do irmão Fernando não tinha prazer na vida, dedicando-se inteiramente ao dever da governação). Esse remorso é a razão da frase do poema: "firme em minha tristeza".

D.Pedro Regente de Portugal: "indiferente ao que há em conseguir que seja só obter"- não fui movido pelo desejo de posse; não fui ambicioso de bens materiais.

"Dúplice dono, sem me dividir, de dever e de ser"- eu e o meu dever fomos um só.

D.João Infante de Portugal- "Minha alma estava estreita entre tão grandes almas...etc"- os meus irmãos (o Infante D.Henrique, o Rei D.Duarte, o Infante D.Pedro, e o Infante D.Fernando) tiveram tal grandeza que me ofuscaram completamente.

"virginalmente parada"- sem actividade; virgem de acção (esta afirmação é inexacta em relação ao Infante D.João que foi um homem de mérito e de préstimo para o País. Aliás, qualquer comparação com um homem de estatura mundial como o Infante D.Henrique só pode resultar injusta para o comparado!).

"é do português querer só isto: o inteiro mar ou a orla vã desfeita"- para um português não há meios termos: ou tudo ou nada (por isso, como não fui tudo, então eu não fui nada!).

"a orla vã desfeita"- a cercadura do mar; a espuma das ondas que se desfazem futilmente na costa.

. .
Voltar ao índice de MENSAGEM de Fernando Pessoa
Lisboa, Portugal. Dezembro 27, 2003
...ou visitar a minha home-page
João Manuel Mimoso
.  

NOTA: Para os que queiram saber mais sobre D.Duarte sugiro ESTA página.

Sobre D.Pedro sugiro ESTA página excepcional que mostra como o infante, apesar da sua morte trágica e inútil na batalha de Alfarrobeira (que inspirou a ilustração a esta página) teve uma vida verdadeiramente extraordinária e um papel importante no início das Descobertas.

Sobre o Infante D.João Sugiro ESTA página, notando apenas uma correcção: o ano da sua morte foi 1442 e não 1422 como refere a página aconselhada na versão que existia à data em que preparei esta página.